Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de julho de 2020

PATRICIA MARX EM DOSE DUPLA NO CANAL VIVA EM BREVE

Em breve, vamos ter dois motivos pra acompanhar a programação do Viva: O canal vai reprisar duas tramas que contaram com sucessos de Patricia Marx na trilha sonora. 

Primeiro, eles confirmaram para setembro a estréia da primeira temporada de Malhação, exibida originalmente em 1995. É a primeira vez que essa temporada vai ser reprisada, já que eles optaram logo no início do canal a reapresentar a novela a partir da temporada de 1999. A trama contava com a música "Espelhos D'água" como tema do casal principal, Héricles e Bela, vividos por Danton Mello e Juliana Martins. Além da alegria de ter sua música na trilha, Patricia chegou a participar de uma cena, cantando ao vivo o sucesso, acompanhada de Maurício Manieri no teclado, durante uma festa a beira da piscina. 
E esse mês eles também confirmaram, para estrear em dezembro,  uma nova reprise do grande sucesso "A Viagem". Uma parcela do público está reclamando que a novela já passou muitas vezes (somando Globo e Viva, já vai ser a quinta exibição da trama), mas o fato é que ela tem muitos fãs e segue sendo uma das campeãs de pedidos de reixibição no canal. Nessa novela, a música "Quando Chove" embala o sofrimento de Diná (Christiane Torloni) diante do desgaste do seu casamento com Téo (Maurício Mattar), antes do seu envolvimento com Otávio (António Fagundes). 
Outro fato é que ter uma música em uma trilha de novela sempre traz muita visibilidade, mesmo que seja em uma reprise. Nas vezes recentes que  "A Viagem" foi reapresentada, ela trouxe muitos fãs novos para Patricia, pessoas que nem eram nascidas na época que as novela foi exibida pela primeira vez e que nunca tinham ouvido a música e nem conheciam a cantora, se apaixonaram e passaram a pesquisar mais sobre o trabalho dela. A expectativa é que isso se repita, ainda mais com duas tramas com músicas dela no ar. Outra expectativa é que as pessoas mais velhas (Não estou falando dos fãs, claro) parem de confundir as duas músicas, o que acontece muito, por incrível que pareça... 

segunda-feira, 27 de julho de 2020

PATRICIA MARX SEMPRE FOI DA BOSSA


Outra matéria muito boa com Patricia Marx recentemente foi a publicada pelo jornal Folha de Pernambuco, no ultimo dia 16/07, tanto em sua versão impressa quanto na online. Para quem não leu, reproduzimos aqui, lembrando que s matéria original está no site: 

 https://www.folhape.com.br/cultura/patricia-marx-sempre-foi-da-bossa/147334/


Por Germana Macambira 

Aleatoriamente, em meio a letras adolescentes, lá estava “Viva Sonhando”, canção de Tom Jobim, ocupando o lado A do LP “Paty” (1987), na estreia solo da cantora e compositora Patrícia Marx. Mas aos 13 anos, recém-saída do infantil Trem da Alegria, foi no embalo de “Festa do Amor”– hit de sucesso do disco - que a artista paulista ganhou palcos em programas de TV. 

“Era muito nova para decidir um futuro”, ressalta ela, sobre a época em que exaltar a bossa nova já lhe era um desejo – a ponto de “brigar” com a gravadora (RCA) para incluir a interpretação. 

“Foi com muita dificuldade, porque era um disco pré-adolescente e a música não era o perfil do álbum”, explica ela aos 46 anos e com os mesmos instintos de outrora, explorar o movimento de Tom, Vinicius, Elizeth Cardoso e João Gilberto, sendo a este último a quem ela dedicou “João”, EP com releituras do musicista baiano “pai da bossa nova”.  

“Tenho uma playlist grande dele, escolhi entre muitas as que eu gostaria de gravar inicialmente”, conta ela que das cinco faixas selecionadas, não hesita em afirmar a preferida. “Caminhos Cruzados, sempre canto em casa. Aliás, do álbum ‘Amoroso’ sei todas as notas. É o que mais amo”, confessa, mencionando o disco de João Gilberto de 1977  – e que três décadas depois foi listado pela Rolling Stone Brasil entre os cem maiores da música brasileira. 

“Estate”, “Once I Loved”, “Você Vai Ver” e “Brazil com S” completam o EP, gravado semanas antes da pandemia e que pode ganhar, no futuro, uma segunda parte. 

Com estilo que percorre de cancioneiros indianos, passa por Mozart e Ravel e deságua na bossa e no jazz, Patrícia Marx se define na música como “uma mistura de tudo”, citando também como referências Gal Costa, Elis Regina, Billie Holiday e Stevie Wonder, entre outros.

 Diversidade que, no entanto, não lhe retirou assinatura vocal própria e afinação levada, por exemplo, pelo aconchego das cordas do violão do músico Willie Daniel, que a acompanha no EP "João".

Vivendo a quarentena de sua casa “no mato”, como ela mesma descreve, é com os bichos que divide o mesmo teto, enquanto espera esse “período estranho” passar.

“Ando um pouco oca para compor ultimamente, é uma ginástica viver entre dois mundos: no meu que é lúdico, canceriano, e interno de sonhos e ideias e no mundo insano, exterior, com as coisas que estão acontecendo em nosso País, com essa política que nos deixa abandonados como cidadãos e seres humanos. Talvez num pós-pandemia eu tenha bastante repertório íntimo para escrever algo”, adianta.

Não adepta das lives, embora pense em “talvez elaborar melhor esse novo formato”, é sem oscilar que ela se confessa nostálgica da música, das coisas antigas e do apego “ao que já existe, ao que foi bom”.

Detentora de mais de uma dezena de álbuns de estúdio e com carreira internacional que a levou a degustar sonoridades da Europa e do Japão – para este último ela gravou o disco “Neoclássico” (1992) pela Cameratti – Patrícia Marx, em paralelo ao trabalho em que celebra João Gilberto, percorre um caminho de descobertas. 

Em meio à pandemia ela vive “o momento presente” com prospecções para um futuro também de bossa. “São planos fazer um álbum inteiro do João Gilberto, me apresentar com o trabalho, viajar para o exterior, porque o projeto é bonito e apreciado lá fora”.




sábado, 25 de julho de 2020

ÓTIMA ENTREVISTA COM PATRICIA MARX PARA BLOG

Há alguns dias, Patricia Marx deu uma entrevista muito interessante para o  gay.blog.br, onde além de falar sobre o carinho que tem recebido da comunidade LGBT+ após ter revelado sua orientação sexual , falou sobre depressão, o sucesso nos anos 80/90,  sua carreira no exterior, entre outros tópicos. 


Você já estava planejando fazer esse “outing” ou foi inspirada pelo Dia do Orgulho ou mesmo pela data de seu aniversário? 

Sim, eu estava planejando para ser no dia do meu aniversário mesmo. Primeiro para a família e depois publicamente. E o que aconteceu foi o contrário (risos), porque no dia do meu aniversário, lendo as mensagens de parabéns que os fãs me mandaram enfim, eu comecei a ver no Instagram que era Dia do Orgulho e eu não sabia, não tinha me atentado a isso. Decidi publicar pra também declarar a minha nova posição e isso foi muito positivo com relação ao público. Fui muito bem recebida, eu só recebi mensagens de carinho e amor de todas as pessoas, mesmo héteros. Inclusive pessoas que me mandaram mensagens inbox me contando a trajetória, a história de que ainda não conseguiam se assumir, que era casada, com filho e que ainda era muito difícil, homens e mulheres. Eu me senti muito próxima do público, muito perto dessas pessoas que passam pelo processo que eu passei. E esse processo interno foi um processo longo, muito longo, eu consegui realmente me assumir, me definir muito por conta da psicanálise. Eu fui casada 18 anos com o Bruno, depois eu namorei, sempre com homens, mas tinha alguma coisa que não estava completa, né? E eu trabalhei isso muito na psicanálise dentro de mim, porque eu negava, eu era preconceituosa, eu negava isso em mim e nos outros, não entendia. Então foi quando eu passei um período sozinha, sem ninguém, que eu comecei realmente a me conhecer internamente e assumir os meus desejos. E, bom, logo depois da publicação eu informei a minha família. A primeira pessoa que eu informei foi meu filho, a pessoa mais importante pra mim nesse momento e na minha vida toda. Ele hoje tem 21 anos e eu fui super bem recebida com muito amor e com muito carinho. Fiquei muito feliz com isso e muito aliviada. Posteriormente eu informei a toda família mais próxima: pai, mãe e irmãos. E também fui recebida com muito amor e muito respeito, fui abençoada por eles e isso. Foi uma coisa muito bonita pra mim, eu tenho vivido essa sensação de felicidade, plenitude e leveza desde então

Em algum momento, bateu um receio de que revelar sua orientação sexual poderia prejudicar a sua carreira?

Acho que não, em nenhum momento bateu esse receio, porque eu sempre acompanho as pessoas que se assumem e acho corajoso. Mesmo tendo algumas perdas, que não é o meu caso, eu não tenho grandes contratos com marcas. Enfim, e acho que isso é um grande erro, porque hoje em dia nós temos que falar sobre a comunidade LGBT+. Hoje vejo e sinto que essa bandeira está cada vez mais forte, mais unida e a diversidade tem estado em um lugar maior no mundo. Apesar dos incômodos das pessoas ainda, dos preconceituosos enfim, que eu vejo que são uma minoria. Mas eu nunca tive receio não. Eu tenho 46 anos. Fiz agora e me assumiria mesmo de qualquer maneira, mesmo se isso houvesse perdas. Eu quero viver a minha liberdade.

Há quanto tempo você e a Renata, sua namorada, estão juntas?

Nós estamos juntas desde o começo do ano.



Falando um pouco sobre sua carreira, você começou muito cedo, aos nove anos em 1983. Considera nocivo o sucesso precoce quando ainda se é uma criança?

Sim, eu considero nocivo o sucesso precoce ainda criança… muito. Porque a gente queima várias etapas da vida trabalhando e isso é muito prejudicial.

Em algum momento de sua vida, você se deslumbrou com o sucesso? Lembro que em suas apresentações você tinha um ar meio blasé, não sorria muito, parecia ser muito tímida, ou aquilo já seria um sintoma de depressão?

Não, nunca me deslumbrei com o sucesso, porque vi muita gente no meio desde pequena se deslumbrar com o sucesso e logo depois cair no ostracismo. E cair de uma maneira muito ruim, com muito problemas… Enfim, então o sucesso nunca me fez a cabeça até hoje, eu sempre priorizei a minha arte, a minha voz, a minha essência, muita coisa não me faz a cabeça, coisa de aparecer a qualquer custo, isso não é o meu perfil; e sim sou muito tímida, eu sou quase uma antiartista (risos). Não… não era um sintoma de depressão, a depressão veio bem depois, a depressão veio lá pra 2013. Depois do meu álbum 30 comecei a repensar toda a minha vida e fiquei doente. Mas hoje eu não tenho mais depressão, eu tratei com remédios. E psicanálise que faço até hoje. Hoje eu estou muito bem.

Para você, os sucessos dos anos 80 e 90 ficaram no passado ou há algum projeto ou um show para reviver os antigos hits?  

O sucesso dos anos 80 e 90 são fases que eu guardo com muito carinho, eu definitivamente sou uma pessoa do futuro, eu preciso do novo para continuar existindo, enquanto arte, enquanto artista, cantora, intérprete no mundo. Guardo com muito carinho tudo que fiz nos anos 80 e 90. No entanto, eu tenho um projeto junto com o Luciano, ex-Trem da Alegria também, chamado Trem da Alegria Celebration no qual nós temos feito alguns shows, vários shows, há mais ou menos um ano e meio até a pandemia chegar. Com esse projeto dos sucessos do Trem da alegria, um formato acústico, lúdico, bem infantil para o público infantil e também os pais que sempre foram fãs do Trem da Alegria. É um projeto muito bonito, inclusive ele saiu no Spotify, onde foi gravado em um canal do Youtube Show Livre. É um novo projeto do Trem da Alegria, meu e do Luciano.


Se considera uma pessoa nostálgica? Sente saudades dos anos 80/90, numa era pré-internet/redes sociais?

Sou uma pessoa nostálgica sim, como uma boa canceriana, mas não sinto saudades dos anos 80 e 90. É muito engraçado isso, eu sou uma pessoa nostálgica, tenho uma boa memória do passado, mas eu amo o futuro. E agora, mais do que nunca, o presente. Neste momento de quarentena tenho aprendido muito a viver no presente, a viver cada minuto como se fosse o último, porque nunca tivemos tanta certeza de que precisamos viver realmente o presente. O futuro depende do nosso melhor presente, porque o futuro nesse momento pra nós todos enquanto cidadãos, brasileiros, é totalmente incerto; um momento que nós nos sentimos tão abandonados pelo governo. Então, tenho cuidado da minha cabeça, tenho cuidado de mim, do meu corpo, do meu dia a dia, tenho buscado a felicidade nas coisas mais simples possíveis como os últimos momentos da vida, vivendo muito no presente, é uma experiência muito bonita.

Você chegou a lançar um álbum exclusivamente para o mercado japonês, chegou a fazer shows no Japão? Soube que esse álbum hoje virou artigo raro de colecionador. E também emplacou um hit na França, não é?

Sim, lancei um álbum exclusivamente para o mercado japonês em 1992, mais ou menos. Cheguei a fazer shows no Japão em 1998. Fiquei um mês no Japão fazendo uma turnê em sete dias para a comunidade brasileira e japonesa, foi muito legal, muito produtiva. Eu adorei o Japão, eu moraria facilmente lá. E sim, esse álbum virou artigo raro de colecionador. Infelizmente a master desse álbum foi perdida na época, ela saiu pelo selo Camerati e este selo se desfez. E essa master foi vendida ou distribuída… dada para o cantor Belchior. Como ele veio a falecer, não se sabe desta master (é a matriz do trabalho de um álbum) e eu gostaria muito de relançá-lo, porque é um trabalho muito bonito e algumas pessoas tem no Brasil. No Japão, foi vendido por lá na época, acho que algumas pessoas devem encontrar este CD na internet. E também emplaquei um hit na França, isso foi na época que eu fui morar em Londres entre 2002 e 2003. Esse hit é uma faixa que faz parte do álbum Patricia Marx lançado em 2004 pelo selo Trama, é uma música que eu canto em inglês chama-se “Burning Luv”. Virou até ringtone na França na época.



Ao longo de sua extensa carreira, você emplacou inúmeros sucessos, a música “Espelhos D’água” é apontada como o seu maior hit, eu imaginava que fosse Destino que também fez muito sucesso. Qual a sua canção favorita de toda a sua carreira?

Emplaquei alguns sucesso aí, Espelhos D’ água, Quando chove, Destino, Sonho de Amor… Entrei em várias novelas da época dos anos 80 e 90. Não sei nem enumerar aqui, mas sei que foram várias músicas… Ficar com Você também é um grande sucesso que é um versão dos Jackson’s Five, uma versão feita pelo Nelson Motta. Mas a minha música favorita de toda a minha carreira, que me toca bastante e que é uma música que é meu filho, assim, né, eu fiz junto com o Bruno, chama-se Despertar e ela está no álbum Respirar.

Como você avalia a política atual em relação a cultura e a comunidade LGBT?

Eu vejo a situação política atual em relação a cultura e a comunidade LGBT+ com um olhar de que estamos todos abandonados. Infelizmente, nós sempre tivemos que lutar por nós mesmos, essa é a verdade; então, isso não mudaria agora com esse governo, não seria diferente. Então isso nos faz mais fortes, mais unidos e aprendendo ao longo do caminho com dificuldades. Mas eu vejo que essa dificuldade traz mais união, tirando o lado do ódio, que eu acho que não leva a lugar nenhum. Nós todos temos que nos unir, mais do que nunca, mesmo isolados.



Como você avalia o atual cenário musical? Tem a sensação que é um mercado saturado?

O cenário musical eu avalio sob a perspectiva da internet. Então eu acho que a internet ela é democrática, graças a Deus. Então o sol nasce pra todos e a gente, antigamente quando não tinha internet, não tínhamos essa opção de escolher muito, era o que se tocava no rádio e pronto acabou, hoje não… Hoje nós temos a internet, temos as plataformas digitais, como um meio de você escolher o que você quer ouvir, é bem democrático. Eu acho muito positivo. Hoje em dia, ainda mais com as lives no Instagram, acho muito positivo isso.

Como você se relaciona com as redes sociais que funcionam como um canal direto com as pessoas/fãs?

Eu me relaciono bem com as redes sociais acho que agora um pouco menos. Eu to numa fase que eu estou um pouco mais recolhida. E tem sido muito bom reavaliar essa questão de ficar postando muito, postando sempre, esse vício de postar. Mas eu tenho um contato direto sim com os fãs, eu respondo a todas as mensagens a medida do possível, acho importante isso, a gente ter esse tempo para responder as pessoas que gostam de você, que repostam os trabalhos né, que tem um carinho, isso faz uma grande diferença.



Entrevista feita por André Aram

terça-feira, 21 de julho de 2020

RECORDANDO: REVISTA STAR SHOW COM PATRICIA MARX (1989)



Em maio de 1989, a Editora Abril lançou uma revista para o público jovem chamada Star Show. A revista trazia entrevistas, quadrinhos, dicas culturais, passatempos e muitas coisas legais, mas a cereja do bolo era um encarte especial trazendo 16 páginas (na verdade quinze, porque uma era de algum anúncio), falando tudo sobre um artista.  A artista escolhida para ilustrar a primeira edição, adivinhem só, foi nossa PATRICIA! 

O encarte trazia as seções Álbum de Família (com fotos antigas dela), Quem é Patricia, Super Secreto, Um Dia na Vida de Patricia e Ela por Ela, além de um lindo pôster e uma mensagem escrita  com a letra dela na última página. Tudo isso acompanhado de fotos lindas e inéditas. Imaginem a minha alegria de ter comprado isso na época, foi um presentão! Para ler melhor a revista, clique nas fotos das páginas. 

Pena que a revista durou pouco (se eu não me engano, foram três edições). Os números 2 e 3 trouxeram encartes especiais com o  grupo Dominó e o cantor Fábio Júnior. 



















sexta-feira, 17 de julho de 2020

MENSAGEM DE PATRICIA MARX PELO ANIVERSÁRIO DE 30 ANOS DO FÃ CLUBE


E no aniversário de trinta anos do fã clube, recebemos o melhor presente de todos, uma mensagem linda da Patrícia nos parabenizando pela nossa dedicação durante todos esses anos e pelo nosso trabalho. Ainda aproveitou para agradecer a todos nós,  fãs,  por todo o carinho que sempre dedicamos a ela. Muito legal, né? 

O que mais  dizer depois disso? 
Só que ela pode  contar com a gente (ontem, hoje e sempre), com nossa admiração,  respeito e amizade e que estaremos sempre ao seu lado!  Muito obrigado por todo o carinho, por todos os momentos felizes, pelo seu trabalho lindo e por sua amizade! Te amamos!

E aproveitando esse momento que estamos comemorando, preparei esse vídeo com algumas das vezes que ela mencionou o nosso trabalho em entrevistas e programas de TV, terminando a montagem com esse  vídeo lindo com  a mensagem que ela gravou no nosso aniversário. 

Assistam, tenho certeza que vocês vão amar!



PS: O nosso fã clube foi criado em 15 de Julho com o nome Fã Clube Simplesmente Paty, mudando o nome depois para Fã Clube Oficial Patricia Marx. A história do fã clube você pode ler aqui. 
.

quinta-feira, 16 de julho de 2020

30 ANOS DE FÃ CLUBE OFICIAL PATRICIA MARX

E como se fosse em um piscar de olhos, nosso fã clube completou ontem 30 ANOS DE EXISTÊNCIA!  Apesar de já sermos fãs da Patricia e acompanhar sua carreira  bem antes disso,  foi no dia 15 de julho de 1990,  que eu (André Arteiro) e o Marcos Dias,  resolvemos dar um passo adiante e criar um fã clube dedicado a ela, com o intuito de conhecer outras pessoas que tivessem a mesma admiração  por seu trabalho,  compartilhar histórias e principalmente divulgar a sua  carreira.  De lá pra cá, foram muitas emoções vividas e muitas amizades conquistadas, algumas até que vem desde os primeiros anos de fã-clube. 
Só temos a agradecer a todos que estiveram com a gente em algum momento dessa história , aos  que nos acompanham há muito tempo, e aos  que chegaram com as redes sociais ou aqui pelo blog. E um obrigado especial a nossa querida Patricia Marx  e aos seus pais,  pelo carinho e  apoio que sempre deram  ao nosso fã clube.  Muito obrigado a todos vocês! 

terça-feira, 14 de julho de 2020

PATRICIA MARX EM PAPO SOBRE MÚSICA E VIDA PESSOAL COM JEAN WYLLYS. ASSISTA!

Patricia Marx contou na live com Jean Wyllys, realizada na ultima quarta-feira, como foi a reação do filho único, Arthur, de 21 anos, ao saber do seu primeiro namoro com uma mulher. A cantora disse que o jovem foi a primeira pessoa para quem ela revelou o romance com a arquiteta Renata Pedreira, de 43 anos, e conta que recebeu muito carinho dele ao dar a notícia. Arthur é filho de Patricia com o ex-marido dela, o produtor musical Bruno E.
"O meu meio sempre foi muito gay, colorido, e sempre encarei com muita naturalidade. Meu filho também conviveu com esse meio durante um tempo. Agora ele tem 21 anos e a namorada dele... E foi a primeira pessoa com quem eu falei, que me acolhei muito amorosamente, e era a pessoa mais importante que eu precisa dizer: 'olha, essa sou eu agora", revelou ela.


Patricia surpreendeu ao revelar no Dia do orgulho LGBTQI+ que está namorando uma mulher. A notícia foi feita num post com uma foto das duas juntas no dia do aniversário de 46 anos da cantora. Para a artista, assumir a sexualidade publicamente foi "libertador".
"É libertador. Mas estou vivendo essa emoção (de liberdade) aos poucos, porque até então, eu vivi essa relação sem falar para ninguém, era uma coisa que ninguém sabia. Resolvi falar por falar, no dia do meu aniversário, que é no Dia Mundial do Orgulho LGBTQI+. Era muita coincidência, um sinal do universo falando: agora vai (risos). Foi uma coisa tão bonita e especial, o amor que eu recebi. Me senti tão acolhida por todos da comunidade", disse.
Durante o papo, Patricia falou da dificuldade que foi se assumir publicamente, pois sempre se relacionou com homens, e admitou que tinha medo e preconceito. "Foi bem difícil, e eu imagino que é um caminho ainda difícil pra se assumir, porque eu mesma tive que resolver isso na análise, tive que tentar entender, porque eu tinha muto medo, tinha aversão, preconceito, todas as coisas que o mundo heteronormativa te diz: 'olha, isso é errado, é feio, engraçado, uma coisa estranha'. Aquilo não passava. Eu falava: 'não deve ser uma coisa anormal'. Aí eu encontrei uma pessoa, que é a minha primeira namorada, e eu vivo uma coisa que é inédita pra mim. É totalmente inédito. E ao mesmo tempo, resolvendo vários traumas de coisas do passado. Eu não nasci assumindo uma postura homossexual".

Ainda durante a live, Patricia ainda falou sobre o novo EP, ressaltando que é fã de João Gilberto desde criança. "Eu aprendi a ouvir música com João Gilberto e Tom Jobim. Eu ouvia seus discos com meu pai, enquanto quanto ele trabalhava, ele era arquiteto e levava os projetos pra casa, inclusive esse projeto é em homenagem  ele, um agradecimento. Eu  sempre gostei desse canto simples do João. Simples, mas ao mesmo tempo  sofisticado, rebuscado em notas muito jazzísticas". Ela ainda contou como foi a gravação do disco: "Eu tentei trazer o máximo de pureza e respeito pelo João nesse trabalho. Tanto que eu não inventei nada. Eu ensaiei muitas vezes e essa gravação foi feita em um take único, gravamos de uma as quatro da tarde, e não podia errar, por que estava filmando junto com a gravação do áudio ao vivo". 
Jean mostrou ser fã do trabalho de Patricia há muito tempo, falando com conhecimento de várias fases da carreira dela. Jean elogiou muito o álbum" Charme do Mundo", que ela mais uma vez confirmou não gostar. Mas parece que as coisas estão mudando: "Esse é um álbum que eu acho que eu estou começando a gostar dele hoje. Eu não gostava muito dele  até pouco tempo atrás. É um disco bem produzido, mas que soa um pouco estranho pra mim, porque eu estava numa fase de transição, outra,  entre tantas fases de mudança... É um álbum de fim de contrato, de despedida da gravadora, mas eu já estava em uma outra fase. É um disco que gosto de algumas faixas, "Chorando no Campo" é uma delas, sou muito fã, mas o álbum em si... me soa nessa transição, então não tem um lugar. Tenho todo carinho, é bem bonito, nem moderno pra época, o Max e o João foram pioneiros porque ninguém fazia música eletrônica aqui na época, mas é um disco pra mim, sem um lugar definido." Em seguida, o assunto foi um disco que ele sabia que ela adora, o "Respirar" "Esse eu amo. É um disco que representa o nascimento do meu filho, a minha ida para o budismo, é a minha descoberta como compositora. Foi quando eu comecei a escrever letras, apesar de achar até hoje que sou péssima letrista. Eu nunca mais escrevi letras depois desses álbuns da Trama. Eu acho que sou mrkhir cantora quequalquer outra coisa, então não tenho me arriscado mais".

Patricia ainda deu palinhas acapella de "Você Vai Ver" (do novo EP) e "Quando Chove", falou de como era fã de Marisa Monte na adolescência, quando ele comparou seu canto sem vibrato com o dela, falou do convite que recebeu de substituir Ivete Sangalo no comando da Banda Eva, em 1999, e muitos outros assuntos super interessantes. Se você perdeu e quer assistir ou quer rever, a entrevista completa está no link abaixo, não deixe de assistir:



terça-feira, 7 de julho de 2020

PATRICIA MARX VAI ESTAR AMANHÃ EM LIVE COM JEAN WILLYS

Amanhã (08/07), Patricia Marx participará da Live Caros Amigos,  no Instagram de @jeanwyllys_real,  as 19h! O jornalista, professor e ex deputado conversará sobre vários assuntos com ela, como postou no seu perfil: ' Amanhã, eu recebo a minha amiga @patriciamarxoficial , cantora e compositora de quem sou fã há muito tempo (desde quando éramos crianças). Dona de uma afinação e sofisticação musical inigualáveis, Patrícia Marx acaba de lançar um EP com canções do repertório de João Gilberto bastante elogiado pela crítica. Engajada, sempre usou suas mídias sociais para defender as liberdades individuais e combater os preconceitos com muita coragem e ironia. Recentemente, ousou dizer a todos e todas que é parte da comunidade LGBTQ+ com muito orgulho. A gente se ama e conversa será sobre esse amor e todo resto. A “Live, caros amigos” começa às 18h (horário de Brasília). Divulguem, compareçam e chamem gente!"






quarta-feira, 1 de julho de 2020

PATRICIA MARX COMPLETA ANIVERSÁRIO E ASSUME NOVO RELACIONAMENTO

No domingo, dia 28/06, Patricia Marx completou mais um aniversário: Nossa estrela chegou aos 46 anos, por incrível que pareça. A cantora postou a foto abaixo, com o texto: "46, com carinha de 16 hahaha! Velhinha serelepe, alegre e nas atividady!!! Obrigada a todos pelas mensagens de carinho, pelo meu aniversário hoje! Obrigada pela torcida positiva, obrigada ao universo, obrigada por estar viva, cheia de saúde, de alegria, de amor, de amigos maravilhosos e verdadeiros, obrigada por ainda poder sorrir todos os dias, cantar, me divertir sempre e por ter coragem de ser quem sou! Obrigada aos meus pais, amo vocês! Obrigada ao meu filho, que me ensina todos os dias, o que é amar de verdade! OBRIGADA!!!"

Lindo, né? Pode ter certeza que a gente faz parte dessse time enorme que te ama e torce muito po você e por sua felicidade sempre! Parabéns, Paty! Te amamos!!!

 

No mesmo dia 28 (que também é o dia do Orgulho LGBT), Patricia surpreendeu os seguidores ao postar uma foto, assumindo um novo relacionamento, com os dizeres: "Sou lésbica com muito orgulho! Estamos juntas, eu e meu amor, Renata.".  Ao ser questionada por um seguidor se ela
sempre foi ou descobriu agora, Patricia respondeu: "Sempre fui, mas não conseguia me assumir. Acontece muito, não?" No geral, os comentários foram muito positivos, saudando a coragem dela e desejando felicidades.

Não vou mentir e dizer que não me surpreendi com a revelação, porque nem desconfiava mesmo desse fato! Mas o importante é o amor e ela estar feliz! Muitas felicidades ao casal!!!