Pesquisar este blog

sábado, 23 de outubro de 2021

PATRICIA MARX VOLTA AO NEO SOUL E ANUNCIA NOVO DISCO

Após o elogiado EP cantando João Gilberto, a cantora agora recria música do saudoso Cassiano para anunciar seu próximo álbum de inéditas que sai no início de 2022 via LAB 344. “Onda”, que também será o título do aguardado disco, é a única regravação entre faixas compostas por Marx com os parceiros Herbert Medeiros, Robinho Tavares e o norte-americano Paul Pesco, entre outros.

Precursora do neo soul no Brasil com o álbum ‘Respirar’ (2002), Patricia Marx conheceu Cassiano na adolescência, quando estourou no país com seu primeiro álbum solo, enfileirando uma série de hits que viraram temas de novelas. 

“Regravar Onda é mergulhar no oceano de múltiplas melodias e metáforas que Cassiano se propôs nesta música”, diz a cantora. “Um mestre que não precisava dizer muito em palavras, mas em ideias melódicas que transcendem o literal. É soul e, ao mesmo tempo, livre como o jazz”, finaliza.

A novidade da gravação é a inserção da obra “Dinorah Dinorah”, sucesso de Ivan Lins de 1977, como música incidental. Produzida pela artista, “Onda” conta com Herbert Medeiros (arranjo e teclados) e Robinho Tavares (baixo e bateria). A faixa, que sai também em versão radio edit, foi gravada, mixada e masterizada no Hataka Studios, por Fabio Hataka.

A gravação chega acompanhada de um videoclipe dirigido por Rodrigo Pysi. “Dirigir o clipe foi como anestesiar a mente. Utilizamos técnicas que deram fluidez aos movimentos e criaram rastros na imagem, já na captação. Ao assistir, você vai notar que a Patricia está realmente conectada ao clipe, trazendo um sentimento real, e isso é lindo!”, explica o diretor. 

Citada inúmeras vezes como uma das vozes mais bonitas do Brasil – inclusive por nomes como Jamie Cullum e Ivete Sangalo – Patricia Marx já lançou 13 álbuns solo e acumula milhões de streams e cópias físicas vendidas. Já colaborou com Seu Jorge, Ed Motta, Tom Zé, Nelson Motta, Jair Oliveira e Marcos Valle e foi associada à Erykah Badu e Jill Scott pela revista DJMag.

Matéria originalmente publicada no site Jornal de Brasília: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário